5 dicas para identificar o mascote ideal para o seu negócio

5 dicas para identificar o mascote ideal para o seu negócio

Este post auxiliará você definir a proposta inicial para a criação de um mascote/personagem ideal para sua marca, produto e/ou serviço.

A criação de um personagem ideal para o negócio é imprescindível para alcançar o sucesso. Como visto no texto “A importância de criar um mascote ou personagem para sua empresa” o mascote é o garoto propaganda da sua marca, ele é responsável por interagir com seus clientes e criar um vínculo emocional através do carisma e garantirá a lembrança do público atrelada a marca.

A humanização e empatia aproximam o público e proporcionam acolhimento, que é mais distante através de outros recursos. Escolher o personagem ideal para seu negócio é uma grande responsabilidade, e para isso disponibilizamos cinco dicas para auxiliar nessa criação!

1.Estar interligado com o ramo de atividade

O ramo de atividade é o ponto inicial para realizar a análise do personagem, pois o público alvo já está definido de acordo com a marca, o produto ou serviço oferecidos, e este mesmo público poderá identificar e confiar no diálogo apresentado pelo personagem/mascote.

É necessário que o mascote tenha os mesmos valores e princípios adotados pela empresa. Mas o que isso significa ou muda na definição do personagem? Significa que ele será responsável por manter a humanização e empatia pelo que oferece. Por exemplo, uma organização vegana, não apresentaria um caçador para dialogar com seu público ou um restaurante apresentar algum inseto como garoto propaganda em sua publicidade.

Os primeiros traços do seu porta-voz são de importância desmedida, a responsabilidade de criar um mascote que seja atemporal e abranja um público ideal é crucial para que atingir os demais resultados, e fazer isso requer estudos, atenção, dedicação e profissionalismo.

2. Conhecer os tipos de mascote existentes

Existem diversos tipos de mascote, e não há restrição para utilizá-los em marcas, produtos ou serviços; eles serão elaborados de acordo com negócio, respeitando a necessidade e vontade do cliente.

  • Alimentos: elucidam aquele delicioso prato, bolo, salgado, pizza, milkshake, algodão-doce… e assim como os objetos, facilitam o público para absorção do que é oferecido.
  • Animais: podem ser criados através de um animal de estimação existente, ou a idealização de um modelo, não se limita a cores, tamanho, raça, idade.
  • Objetos: existem vários mascotes famosos que representam o produto que comercializam. Utilizados para Lápis a Caminhões, são abrangentes e atingem diretamente o imaginário do público com o produto.
  • Persona: é criado através de uma pessoa real. Características físicas, acessórios utilizados com frequência, trejeitos, estilo, roupas.
  • Personagem humano: definido de acordo com a preferência do público á alcançar. O personagem pode ser feminino, masculino, não binário; a idade varia entre um bebê e um idoso, as cores de cabelo, olhos, a definição dos demais traços físicos serão sempre de acordo com o propósito do negócio, com a intenção de ser abrangente.
  • Robôs: trazem a ideia de inovação, tecnologia, automação.
  • Seres fantasioso: Fadas, Vampiros, Sereias, Zumbis, Super-heróis… e a magia que qualquer um deles trás para encantar o público.

3.Identificar onde serão realizadas aplicações principais

Não há vigência ou limite para utilizar o personagem, ele realiza de forma sutil a comunicação visual 100% do tempo. A aplicação em endomarketing, marketing e publicidade são ferramentas indispensáveis para trazer retorno e reconhecimento da marca.

Comunicados internos na empresa utilizam o mascote de forma humorada, para chamar atenção em detalhes do dia-a-dia: comunicar sobre um evento, alguma novidade na estrutura da companhia, atenção para entrar no elevador, alterações de processos, e-mails, jornais internos.

Enquanto a comunicação externa é utilizado na parte de marketing e publicidade para realizar as mais diversas propagandas, publicações, materiais digitais e impressos.

Ao identificar as aplicações possíveis e necessárias, torna-se mais prática a escolha do mascote que proporcionará isso para ao público.

4.Manter cores, estilos e temas já utilizados

O mascote pode ser adquirido posteriormente a criação da empresa, produto ou serviço, e estes já possuírem a identidade visual (leia também: “Por que investir em identidade visual?”). E as cores, o estilo e os temas já definidos, deverão manter o mesmo padrão, afinal de contas, essas características já fazem parte da marca.

O personagem segue as diretrizes da identidade visual da empresa. Parece impossível? Às vezes sim, mas nesse momento que a criatividade expande na parte artística e incorpora todos os detalhes para manter o significado já adquirido e reconhecido anteriormente no mercado.

Pense em um petshop que atualmente utiliza apenas seu logo, e decidiu incorporar um gato branco – mascote de baixa complexidade – para ser seu garoto propaganda. Onde ficará as cores do logo já são conhecidas pelos clientes? O gato poderá ter um brinquedo, uma coleira, camiseta, um boné… o importante é ingressar no mesmo padrão e estilo que a empresa já trabalha atualmente.

5.Ser diferencial e demonstrar o que seu produto oferece

A singularidade, conforme mencionado nos posts anteriores, proporciona diversos benefícios e um deles com certeza é não ser confundido no mercado. Marcas, produtos e serviços que utilizam os mesmos atributos de seus concorrentes, procuram muitas vezes confundir o consumidor, com certeza você já se deparou com algo do mesmo tipo em alguma compra. Contudo a marca que foi copiada criou, investiu e se destacou no mercado por ser única e demonstrar isso aos seus clientes.

Um mascote personalizado demonstra ao cliente a integridade da marca que ele está escolhendo, de forma sutil ele identifica que há diferenciais, confiabilidade, veracidade no que é ofertado e atravessa as formas apresentadas, e demonstra entrelinhas o que será adquirido. E a complexidade do mascote está estreitamente ligada ao que será comercializado, onde cada detalhe é absorvido pelo consumidor de forma involuntária.

E você? Como você enxerga a utilização de um mascote na sua empresa?

No vocabulário da maioria das pessoas, design significa aparência. É decoração de interiores. É o tecido de cortinas, do sofá. Mas para mim, nada poderia estar tão longe do significado de design. Design é a alma fundamental de uma criação humana, que acaba se expressando em camadas externas sucessivas do produto ou serviço – Steve Jobs

www.glivdesign.com

Deixe seu comentário

comentários

 

Facebook
YouTube
Instagram